Acontece Arquitetura por aí Tendências Design Objeto de desejo Nossos projetos

Receba as novidadesdo blog por e-mail

BIENAL DE ARQUITETURA EM VENEZA 2018: FREESPACE

A Bienal de Arquitetura em Veneza de 2018 apresenta o manifesto FREESPACE (publicado em 2017) como ponto de partida e alinhavo dos mais de 70 expositores no evento. Com curadoria de Yvonne Fahrrell e Shelley McNamara, a qualidade do espaço, do espaço livre e gratuito, entram em questão através de olhares múltiplos, diversos, singulares. A mostra vai até o dia 25 de novembro.

FREESPACE foi concebido pensando muito nos profissionais da arquitetura, da importante contribuição que podem dar à humanidade. “Para nós, a arquitetura é a tradução da necessidade – no significado mais amplo da palavra – em espaço significativo. Na tentativa de traduzir FREESPACE em cada uma das tantas línguas maravilhosas do mundo, esperamos que possa discutir  o ‘presente’ que a arquitetura tem a capacidade de dar em cada projeto”, declararam as curadoras.

O Brasil na Bienal de Arquitetura em Veneza 2018

A curadoria do Pavilhão Brasil no evento ficou por conta dos arquitetos Gabriel Kozlowski, Laura González Fierro, Marcelo Maia Rosa e Sol Camacho. “Muros no ar” tem como objetivo fazer presente a questão da transposição de fronteiras, sejam elas materiais ou imateriais, do Brasil e da sua arquitetura.

Foram 300 obras inscritas, mas apenas 17 foram selecionadas. Cada uma delas representa um muro que, segundo o olhar dos curadores, precisa ser deslocado ou transposto.

Urban Forest

Imagem via Revista USE

Um dos projetos em destaque é o Urban Forest, que está em desenvolvimento no bairro Vila Madalena em São Paulo. Projeto do escritório franco-brasileiro Triptyque Architecture, a obra está prevista para 2010 e trata-se de um edifício que abriga um co-working, um co-living, lojas e restaurantes.

Moradas Infantis

Imagem via Casa Cor

Moradas Infantis, de Rosenbaum e Aleph Zero Arquitetura, é um premiado projeto responsável por reformar a escola Fazenda Canuanã, em Formoso do Araguaia (TO). Além do espaço educacional o edifício é também alojamento para alunos que moram longe da escola. A premiação Building of the Year elegeu o projeto como o Melhor Edifício de Arquitetura Educacional do Mundo.

NSDC

Outro destaque brasileiro bacana é o redesenho para grades das cidades proposto pelo Atelier Marko Brajovic. NSDC (Na Selva Das Cidades) é uma homenagem  à arquitetura cênica de Lina Bo Bardi, referindo-se à peça homônima de Bertold Brecht com montagem pelo Teatro Oficina nos anos 60.

 

SESC Parque Dom Pedro II

Imagem via Casa Cor

O projeto para o SESC Parque Dom Pedro II, da Una Arquitetos, também está na mostra e ainda a ser construída. A proposta é parte de um plano de revitalização do parque Dom Pedro  II, que visa complementar a paisagem do centro da capital paulista.

Praça Infantil Iguatemi

Imagem via Casa Cor

O Studio MK27 apresenta o projeto Praça Infantil Iguatemi, que será construído numa área residencial em São Paulo. Com um vão central e portais de madeira, permite que as crianças explorem o espaço de maneira lúdica, como deve ser.

Pavilhão dos Emirados Árabes Unidos, pela primeira vez no evento, em 2018.

“A nossa esperança é que a palavra FREESPACE nos permita de sondar as aspirações, ambições e a generosidade da arquitetura”, completam Fahrrell e McNamara. A exemplo dos representantes brasileiros na mostra, o objetivo parece estar sendo alcançado, o que acha?

História

A arquitetura aparece pela primeira vez na Bienal de Veneza (que reúne outros segmentos, como o cinema, a dança e o design) em 1975, parte da ampliação do setor de Artes Visuais, durante a presidência de Carlo Ripa di Meana e direção de Vittorio Gregotti. A autonomia do setor de Arquitetura foi instituída de fato entre 79 e 82, tendo a primeira Mostra Internacional de Arquitetura da Bienal sido realizada em 1980.

Nomes importantes como Francesco Dal Co, Richard Burdett, David Chipperfield, Rem Kollhas e Alejandro Aravena já exibiram seus trabalhos na mostra, fazendo com que rapidamente ela se tornasse uma das exposições mais prestigiadas e importantes do mundo.

ZELLIGE: AZULEJO MARROQUINO É TENDÊNCIA

Zellige é um tipo de azulejo marroquino muito tradicional, e que agora revisitado é tendência: basta ver os inúmeros projetos que têm lançado mão de tais geometrias, estampando revistas de arquitetura e design de interiores no mundo todo.

Quem já visitou o Marrocos ou se interessa minimamente pela cultura islâmica vai saber sobre qual estética estou falando. Tratam-se de belos e intrincados desenhos geométricos, que cobrem fachadas de palácios e mesquitas.

Imagem via Hometeka

O islamismo não permite a representação de imagens figurativas, por isso, para impressionar e mostrar o apreço da cultura pela matemática e geometria, desde o século X artesãos criam e passam de geração em geração esse saber manual.

Como é feito

O azulejo Zellige genuíno é realizado em várias etapas manuais, e requer o trabalho de diversas pessoas para produzir tantas e variadas pecinhas que irão montar os desenhos dos mosaicos.

Inicialmente prepara-se uma argila cinza, que será moldada em telhas e colocadas em fornos à lenha. Depois, as telhas são novamente moldadas e recebem uma camada de esmalte para então serem cozidas novamente.

Imagem via Flickr

Algumas peças recebem desenhos que servirão de molde para o talho, realizado com um martelo especial. Com todos os elementos preparados, o padrão é criado por sarrafos (ripas de madeira) e as pecinhas são ali encaixadas. Depois removem-se os sarrafos e uniformiza-se a peça, com uma camada de pó de cimento e outra final, de argila. Aí é só esperar secar.

Os artesãos precisam entender de matemática, geometria, simetria e composição e precisam estudar bastante para se tornar um mestre zellige. São anos de treinamento para conseguir realizar os azulejos de forma perfeita.

Oriente contemporâneo

Ambiente Hermès no Salone del Mobile di Milano – Imagem via Casa Vogue

A verdade é que esse frisson em torno do Zellige começou no Salone del Mobile 2018 de Milão. A Hermès assinou uma instalação totalmente acabada com esse tipo de azulejo marroquino, porém de forma super contemporânea. So chic!

Confira o último post que fiz sobre o Salone del Mobile di Milano aqui.

 

Sequência de imagens via Casa Vogue

A base é a mesma do Zellige tradicional. Porém, ao invés das geometrias evidentes dos mosaicos, foram trabalhados blocos de cores muito interessantes, como você vê na imagem.

Assim, os projetos atuais seguem essa linha, mas nada que tire o brilho das patterns inspiradas nos originais. Banheiros, cozinhas, varandas, espaços comerciais também – por que não? – podem ser revestidos pelo azulejos marroquinos.

A beleza desses azulejos está na imperfeição da sua superfície, irregular, com um toque rústico. Algumas pessoas acreditam que é possível substituir a ideia pelos ladrilhos hidráulicos. E você?

Alhambra

Imagem via Living Tours

Alhambra é um oásis do oriente no ocidente. A cidade espanhola que viveu um longo período sob domínio otomano é a referência viva do Zellig em terras ocidentais.

Confira a viagem que fiz para a Espanha aqui: Madri | Barcelona 1 e Barcelona 2

O nome Alhambra quer dizer paredes avermelhadas (em árabe, “qa’lat al-Hamra” significa Castelo Vermelho). Está localizada no topo da colina al-Sabika, na margem esquerda do rio Darro, a oeste da cidade de Granada.

Imagem via World Monuments Fund

Vale incluir a cidade no roteiro europeu na sua próxima viagem, que tal? 😉

FLORENÇA: ENTRE ARTE, ARQUITETURA E GASTRONOMIA

É a segunda vez que visito Florença – quem quiser se lembrar da primeira, tem um post super completo também aqui, onde conto histórias bacanas e curiosas sobre Brunelleschi e suas principais obras por aqui.

Dentre visitas guiadas e descobertas pessoais na cidade – continue lendo mais adiante para conferir sobre o Mercato Centrale, imperdível -, cada detalhe de Firenze merece ser explorado. Por isso, se preciso for, diminua o número de cidades no seu roteiro para aproveitar melhor essa obra prima a céu aberto.

Escolhi fazer um tour guiado oferecido pela @lumasieroguiadeflorenca. A guia tem um roteiro especial para amantes da arquitetura, passando pela Toscana, Milão e Bienal de Veneza: quero fazer já! Para conferir alguns trechos do que nos foi contado por ela, confira no destaque do stories do @fernandarubatino.

Casa de Dante

Uma das figuras ilustres de Florença, Dante Alighieri é considerado o mais importante poeta italiano, conhecido por configurar as bases da língua como a conhecemos hoje. Vários pontos da cidade celebram Dante, mas o principal deles é mesmo a casa onde o poeta viveu, atualmente um museu sobre a sua vida e um retrato sobre a vida de Firenze em seu tempo. Reza a lenda que e você encostar a mão na suas paredes, aprende a falar italiano! 🙂

Museu/Casa de Dante – Imagem via Visit Florence

Casa Torre

Na idade média o acesso a esse tipo de construção se dava através do segundo andar, por meio de uma escada colocada externamente à estrutura. Era uma forma de segurança das famílias na época.

Palazzo Vecchio

Situado na Piazza della Signoria, vizinho à Loggia dei Lanzi, Museo Gucci e Galleria degli Uffizi, o Palazzo Vecchio faz parte do centro do mundo político de Firenze desde o século XVI. Muitos eventos históricos também foram vividos e testemunhados por essas construções.

O Palazzo Vecchio é a sede da atual prefeitura de Florença e foi erguido entre o final do século XIII e o princípio do XIV. Suas feições atuais se devem às obras de restruturação e decoração que foram executadas no no século XVI.

A réplica de David, de Michelangelo (a original se encontra na Galleria dell’Accademia) está bem na frente do Palazzo e simboliza o poder da República fiorentina, em contraste com a tirania da dinastia Medici.

Loggia dei Lanzi

A belíssima Loggia dei Lanzi é uma pequena galeria de arte a céu aberto. Projetada por Orcagna em 1376, em estilo clássico renascentista. No destaque da imagem, a estátua de Perseo, com a cabeça da Medusa, ópera de Benvenuto Cellini (1554): um “aviso” para aqueles que se metiam contra os Medici. A Medusa representaria a república

Galleria degli Uffizi

Em uma palavra: visite, é imperdível! A galeria é situada num edifício cujo projeto é de Giorgio Vasari, construído entre 1560 e 1580 e abriga extraordinárias coleções de esculturas e pinturas da Idade Média à Idade Moderna. Nomes como Piero della Francesca, Fra Angelico, Botticelli, Leonardo, Raffaello, Michelangelo, Caravaggio e muitos outros responsáveis por obras primas absolutas estão ali.

MERCATO CENTRALE

O Mercado Central de Firenze é parada obrigatória inclusive para os italianos, que fazem questão de visitar o local, quando estão de passagem pela cidade. Ali você encontra inúmeros produtos típicos entre temperos, raízes, embutidos, queijos e vinhos. Mas é no segundo andar que você se depara com uma agradável surpresa…

Uma praça de alimentação gigante, com várias opções – de frutos do mar à famosa bisteca fiorentina, nossa eleita, para degustar com um bom vinho e descansar um pouco da intensa caminhada. O pico de movimento é de 12h às 15h: se querem uma sugestão, prefira outro horário pois o lugar fica lotado!

Com a vista do Rio Arno fica o convite para a próxima parada: Veneza!

Você pode conferir os detalhes dos nossos dias em Florença nos destaques dos stories! Muita arquitetura e design de interiores por lá 😉

 

MOSTRA JADE SPAZIO 2018

Tive a honra de ser convidada mais uma vez para formar o time de arquitetos que apresentam, desde o último dia 21 de junho na JADE Spazio, mais uma mostra de design de interiores em Juiz de Fora.

Já tradicional na cidade, o evento acontece reafirmando as principais tendências do setor, oferecidas pela Jade Spazio e endossadas pelo toque individual do estilo de cada profissional convidado.

Para esse ano, fiz uma seleção especial de peças lançando mão principalmente do couro marrom, marcenaria em tom gianduia e metais dourados, colorindo com o verde de folhagens tropicais, como você pode conferir nesse post.

Clássico x Moderno

Os painéis que fazem acabamento das paredes tem brilho clássico e servem de contraponto ao design moderno proposto para os móveis. Foram desenvolvidos em parceria com Davydson Alvarenga, em MDF, e os papéis de parede que arrematam a composição são assinados pela Fontesville Persianas.

O ponto focal do ambiente é a mesa de jantar, que apresentei com algumas características especiais. Começando pelas cadeiras, minha ideia foi utilizar do conjunto de oito peças, as duas que são dedicadas aos anfitriões em material diverso ao couro marrom reservado aos convidados.

Aliás, estrategicamente posiciono o carrinho das bebidas perto das cadeiras desses anfitriões, facilitando o servir das bebidas. Vale lembrar que o detalhe proposto pelo espelho quebra a simetria do boiserie que compõe o restante da mesa de jantar.

Outra parceria especial é com a Liliane Feyo, com jogos americanos belíssimos em tom verde, harmonizando com os tons neutros e marrons propostos nesse ambiente.

Detalhes icônicos

Outra parceria de sucesso dessa mostra no ambiente que propus são os porta-guardanapos que na verdade são anéis de prata com pedras naturais, direto da coleção Ícones, que assino com a Joalheria Kether. 

Nessa seleção de joias, monumentos arquitetônicos me serviram de inspiração, como a Sagrada Família de Barcelona, o Coliseu de Roma ou o o Templo de Lótus de Nova Déli, como você pode conferir em detalhes nesse outro post aqui. 

Geometria

As linhas geométricas já são minha marca registrada, principalmente em se tratando de tapetes, já reparou? Pois dessa vez não seria diferente: mesmo optando pelo tom claro as linhas que definem o grafismo fazem claramente referência ao universo da geometria, como pode ser visto na imagem.

Outro elemento bastante gráfico é o lustre que, junto com as banquetas, trazem o brilho do acabamento metalizado e mesclados com o estilo da madeira e o couro marrom revelam uma pitada de modernismo presente nas cadeiras.

Detalhe da montagem

Mimos

 

O nosso ambiente na Mostra Jade foi um sucesso e eu espero vocês na próxima! 🙂

MARCENARIA SOB MEDIDA OU MODULAR: PRINCIPAIS DIFERENÇAS

Imagem via Promob

Na realização de projetos de interiores, uma das dúvidas mais presentes dentre os meus clientes é, entre a marcenaria sob medida ou modular: quais as principais diferenças?

Marcenaria sob medida

Imagem via www.marcenariaartesanal.com.br

A marcenaria sob medida é uma solução apresentada para um espaço de forma a aproveitar melhor as suas dimensões. O marceneiro mede cada milímetro e tudo é estudado de acordo com a necessidade do cliente, desde uma prateleira ao aproveitamento de um espaço morto atrás de algum nicho.

Imagem via Arquitetura e Construção

O profissional não desperdiça nenhum espaço sequer. Ao contrário dos fechamentos propostos pelos modulados, na marcenaria você pode dizer se a sua gaveta mede 55,54cm ou 32,84cm.

Diversamente dos planejados modulares, que possuem medidas fixas para gavetas, nichos ou prateleiras, devendo as diferenças serem trabalhadas com fechamento em madeira, para justificar os vãos não cobertos pelas medidas exatas passadas pelo consumidor.

Imagem via Habitissimo

E mais: para quem precisa de uma solução especial para os puxadores, não tem nada melhor. Os objetos podem ser desenvolvidos personalizado para você! Dessa forma, através dos detalhes artesanais, seu projeto ficará extremamente original.

Planejados modulares

Imagem via Líder Interiores

Além das inúmeras opções de cores disponíveis em planejados modulares, que consequentemente irão se adequar às características do seu projeto, os móveis planejados modulados são excelentes soluções para quem quer economizar. Tudo o que é padrão tem condições de ter a sua produção escalada o que, ao nível industrial, quer dizer economia.

Outra característica é com relação ao prazo de entrega do projeto: em geral, os móveis modulados são entregues obedecendo a uma data estabelecida por um contrato, ou seja, são mínimas as chances de um delay da sua cozinha, ou o que quer que seja pronto, em seu lugar.

Imagem via Líder Interiores

Mas e aí, entre marcenaria sob medida ou modulados: existe uma melhor opção?

 

Imagem via Habitissimo

Cada caso é um caso e a melhor maneira de entender qual a solução mais adequada para o seu projeto é com uma boa conversa. Assim, os profissionais envolvidos poderão encontrar uma justa medida para as suas expectativas, em termos de resultado estético ou budget.

Determinados ambientes exigem mais dos móveis e, por isso, soluções diferentes devem ser ponderadas, certo?

Imagem via Casa e Jardim

Dúvidas? Deixe nos comentários!

E aproveito para convidá-los para conferir aos nossos vídeos no nosso novo canal no Youtube:

Comente, inscreva-se e compartilhe. Vire expert em arquitetura e design de interiores acompanhando a gente!

E até o próximo post 🙂

 

1 2 3 4 36