SIENA, O PALIO E SEUS ENCANTOS


Que rufem os tambores, pois chegamos em SIENA! O diário de bordo da nossa coluna Arquitetura por aí segue o baile numa das cidades com características medievais mais importantes e bonitas da Itália.

Se você é fã de história e arquitetura - como eu -, vem comigo pois o post de hoje traz, além de dicas sobre esses temas, algumas outras sobre gastronomia (entre tartufos e chiantis <3) e curiosidades locais - sabiam que o rockstar Sting tem uma guesthouse na região e não perde um Palio sequer, em Siena?


O Palio de Siena


Foto por Janus Kinase - Palio di Siena 2011 - Piazza del Campo


First things first: uma das coisas mais bonitas da cultura italiana é o valor que o seu povo dá à própria história. Enquanto em muitos países o "progresso" confunde-se com colocar abaixo arquiteturas centenárias, para construir soluções novas no mesmo lugar, no bel paese a memória é levada muito a sério e com isso a preservação é uma das disciplinas ensinadas com rigor e acurada inovação nas faculdades de Arquitetura.


Isso posto, fica fácil entender por que Siena é uma das cidades mais visitadas da Itália. Enquanto você pode perder-se entre as vielas medievais, nessa época do ano as referências e revisitações à história de Siena encantam ainda mais os seus visitantes.



Falei sobre o rufar dos tambores não foi atoa: o Palio, tradicional evento que acontece todos os anos em agosto (geralmente vizinho ao tradicional feriado de "Ferragosto") é uma competição de "times" de cavaleiros, conhecidos como "contrade", numa corrida em honra à consagrada Madonna Assunta.


Foto por Roberto Vicario - http://www.toscanafotonotizie.it


Poucas coisas são tão tradicionais na Itália como o Palio, assim como o desfile com tambores e personagens vestidos à moda medieval, conhecido como "Cavalcata". O Palio e a Cavalcata são eventos que acontecem simultaneamente em muitas das cidades de origem medieval na Itália, mas em Siena existe um charme  à parte, talvez, o que tenha encantado Sting. Reza a lenda, todos os anos o artista tem lugar cativo no concorrido espetáculo (você não faz ideia o quanto fica cheio, vide imagem acima).


A Praça mais bonita?




A praça de Siena é particular e o charme local, uma praça gigantesca, conhecida não atoa como "campo".

Essa praça tem uma circunferência de 333 metros, pavimentada com um desenho que faz lembrar uma concha, apontando para o Palazzo Pubblico, que é a sede do governo local. Cada seção dessa concha representa um dos nove governadores do "governo dei nove", considerado um dos mais estáveis e pacíficos da Itália.

Muitos consideram que essas seções remetem às dobras do manto da Virgem Maria, considerada a "governante suprema" de Siena. Há, ainda, quem faça referência ao vale do Montone, para justificar a construção harmônica dessa praça.


Duomo de Siena


Uma obra-prima da arquitetura românica-gótica italiana, o Duomo de Siena (duomo = catedral) foi projetado e construído entre 1210-1270.

A fachada, realizada em mármore branco, mármore vermelho de Siena e serpentino di Prato (mármore verde), é dividida em duas metades, inferior e superior, referentes às suas duas fases de construção distintas. Sua decoração é escultórica, com irregularidades e assimetrias devidas às diversas mãos pelas quais passaram o projeto original.

Un vero capo lavoro, diriam os italianos, o seu interno é ainda mais fascinante. A nave central é toda listrada, com uma longa fila de 171 bustos de papas, começando com São Pedro. Aliás, estive em Siena bem no dia de San Pietro, 29 de junho.


Pasta, vino e TARTUFO


Olha, se tem um sabor italiano que é: "ame-o ou deixe-o" - esse sabor pertence às trufas. Ao contrário do que usualmente se conhece no Brasil, na Itália uma trufa não é doce. Na verdade é um tubérculo, com sabor bem peculiar.

Conhecido pelo nome tartufo, é uma iguaria encontrada com muito esforço por cães terriers, que tem por hábito escavar terrenos, ensinados a encontrar tais joias naturais. Uma trufa vale quanto pesa: quanto mais pesada mais cara é, podendo chegar a alguns milhares de euros.



Eu sugiro, estando na Toscana, provar além da tagliata uma pasta devidamente al tartufo, acompanhada de um delicioso vinho Chianti. Coisa melhor? Hum... está para nascer!



Pronto/pronta para a próxima parada? Então aguardem o próximo post da coluna Arquitetura por aí: estaremos em Florença. Até lá!